Uma fotografia brasileira da constelação de Tupi pode ser encontrada no site da NASA

Spread the love

A ‘Foto Astronômica do Dia’ escolhida pela NASA nesta terça-feira (12) é bastante especial para o Brasil. Além de uma fotografia do professor e astrofotógrafo brasileiro Rodrigo Guerra, tirada no interior do Paraná, mostra também uma abundância da cultura do povo Tupi, que habitava grande parte do território brasileiro antes da chegada dos portugueses.

Constelação histórica brasileira – fotografia astronômica da época. Crédito: Rodrigo Guerra

A NASA publica uma imagem diferente do universo todos os dias, com uma breve descrição de um astrônomo profissional da agência espacial. Esta foto foi selecionada a partir de inúmeras imagens enviadas de todo o mundo e publicadas em um lugar de destaque no Astronomy Picture of Day (APOD) ou Astronomy Picture of the Day, uma das abordagens mais importantes do site da NASA.

E a foto que escolheram para o APOD desta terça chamou a atenção, não só pela beleza, mas também pelo destaque da Constelação do Velho, o asterismo da cultura estelar tupi formada por estrelas que hoje fazem parte das constelações de Touro e Orion.

A percepção do padrão é uma característica dos seres humanos. Por milhares de anos, os povos antigos olharam para as estrelas no céu e reconheceram padrões entre elas, formando estrelas que representavam animais, objetos e histórias mitológicas de sua cultura. Cada nação de cada canto do planeta tinha sua própria cultura estelar, com seu próprio conjunto de constelações que ajudavam a identificar as estrelas no céu e sua relação com os ciclos da Terra.

Diferentes culturas estelares, relações humanas e astronomia são áreas de estudo de um ramo da astronomia chamado etnoastronomia. E apenas inspirado em um trabalho em etnoastronomia de seu ex-professor Alemão Bruno Afonso, Rodrigo decidiu tirar a foto escolhida pela NASA nesta terça-feira.

A foto foi tirada no dia 2 de janeiro e mostra, além da Constelação do Ancião, a paisagem rural do município de Juvinópolis no interior do Paraná. Em primeiro plano, a silhueta de um indígena que remete a Tupi a lenda de um velho cuja mulher lhe cortou a perna e que vagueia pelo céu com o apoio de seu cajado.

Em publicação no site da NASA, uma foto de Rodrigo Guerra recebeu o título de “Constelação Histórica Brasileira”, acompanhada da seguinte explicação.

“O céu noturno está cheio de histórias. As culturas ao longo da história projetaram algumas de suas lendas mais duradouras nas estrelas do céu. Gerações de pessoas veem essas constelações estelares, ouvem histórias relacionadas e as transmitem. Aqui se destaca a talvez desconhecida constelação de Homem Velho, que os povos Tupi, originários das regiões da América do Sul, hoje conhecida como Brasil, há muito tempo reconhecem. O velho, no vernáculo mais moderno, pode ser composto do aglomerado estelar dos Hyades como cabeça e do cinturão de Orion como parte da perna. O folclore maçante relata que a outra perna foi cortada por sua infeliz esposa, fazendo com que ela terminasse em uma estrela laranja conhecida como Betelgeuse. O conjunto de estrelas das Plêiades, na extremidade esquerda, pode ser interpretado como uma pena na cabeça. Na foto proeminente, o velho manco é espelhado por uma pessoa posando em primeiro plano. O folclore do céu noturno é importante por muitas razões, inclusive porque registra o patrimônio cultural e documenta a universalidade da inteligência e imaginação humanas. “

publicidade

A foto de Rodrigo Guerra foi publicada como Foto Astronômica do Dia no site da NASA

Esta é a segunda vez que Rodrigo Guerra publica uma foto como APOD no site da NASA. Ele diz que não imaginou a foto tão boa por causa das nuvens e da umidade da noite. Ele considerou desistir, mas decidiu insistir.

Sua perseverança foi recompensada com esta bela imagem, rica história e cultura, que ganhou reconhecimento internacional como uma fotografia astronômica da época.

Texto de Marcelo Zurita, Presidente da Associação Paraibana de Astronomia – APA; membro da SAB – Sociedade Astronômica Brasileira; Diretor Técnico da Bramon – Rede Brasileira de Observação de Meteoros – e Coordenador Regional (Astroid Day Brasil) (Nordeste)

publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *